PRODUTOS

Plantas de Biogás Biodigestores

Os biodigestores são “motores biológicos” que permitem transformar a matéria orgânica, liquida ou seca, em biogás e fertilizante orgânico estabilizado.

 

As plantas de biogás são instalações com três propósitos:

  1. Tratar a matéria orgânica (líquido ou sólido) por meios biológicos.
  2. Gerar gás natural renovável para uso energético.
  3. Estabilizar o material orgânico para a sua melhor utilização como adubo.

Os biodigestores transformam o carbono da matéria orgânica em metano (CH$) e dióxido de carbono (CO2). Os nutrientes contidos na matéria orgânica (N, P, K) continuam nos subprodutos do processo (lodos anaeróbio e efluentes tratados). Estes subprodutos representam excelentes fertilizantes orgânicos.

 

Produção média anual:

  • 100.000 m3 de biodigestores
  • 15´000.000 m3 de metano (CH4)
  • 10 MW

 

Modelos principais:

  • UASB = Upflow Anaerobic Sludge Blanket (ver mais)
  • RAC ® = Reator Anaeróbio de Contato(ver mais)
  • RAFAC ® = Reator Anaeróbio de Fluxo Ascendente de Contato (ver mais)
  • Bioseco (ver mais)

Plantas de Compostagem 

A compostagem é uma maneira de processar os subprodutos orgânicos (sólidos).

Os objetivos do processo de compostagem são:
 
  • Reduzir o volume e o peso da matéria a transportar
  • Estabilizar a matéria orgânica afim de transformá-la em abono orgânico
  • Substituir os fertilizantes químicos no campo
  • Controlar odores
  • Reciclar os nutrientes para uso no solo
  • Evaporar as águas residuais e lodos

Dependendo da matéria prima, o terreno disponível, o contexto, as condições climáticas e os objetivos e políticas da indústria, BIOTEC fabrica plantas de compostagem por volta frontal (sistema tradicional), por volta lateral e/ou por aeração forçada.

Modelos:

  1. FT: sistema tradicional com volta frontal
  2.       
  3. LT: Sistema alterno de volta lateral que permite maior altura de montões e evita espaços entre montões
  4.       
  5. FV: Sistema de aeração forçada graças ao qual não é necessário proceder a voltear enquanto o material esteja suficientemente solto

Sistemas de fertilização orgânica liquida

Para que os efluentes e resíduos não terminem nos rios ou lagos, é necessário encontrar métodos para devolver esta matéria orgânica ao solo. A agronomia e engenharia agrícola são um complemento à engenharia ambiental e sanitária. Os solos do planeta são a sua “planta de tratamento” natural. A fertilização com matéria orgânica fresca ou descomposta é uma prática comum agrícola em todo o mundo. A fertilização orgânica liquida é menos conhecida, mas igualmente importante.

Quando tecnologias de aplicação liquida não existem ou não são satisfatórias por razões técnicas ou econômicas, BIOTEC concebe sistemas inovadores de aplicação, cujo princípio e características dependem em grande medida do tipo de cultivo. Este é o caso do sistema ‘FORLIM’ (Sistema de Fertilização Orgânica Liquida Monitorada) que permite aplicar os efluentes tratados e lodos de purga, provenientes dos biodigestores de forma dosificada sobre plantações. O FORLIM tem um sistema SCADA e uma GIS (Geographic Information System), que permite o monitoramento on-line da fertilização.

O FORLIM gera relatórios periódicos de adubação para a gestão de negócios e / ou autoridade ambiental.

A taxa de aplicação de nutrientes por hectare por ano assemelha-se as doses utilizadas para a fertilização química.

A fertilização orgânica liquida permite alcançar:
 
  • Zero descargas a rios ou corpos receptores
  • Eliminação e valorização de lodo anaeróbio e efluentes
  • Substituindo fertilizantes químicos no campo
  • Melhorar os solos
  • Aumentar o rendimento
Ordem de magnitude:
Cultivo Dosagem (fertilizante líquido orgânico).
PALMA: 100 - 300 m3/ha-ano
CANA: 50 - 300 m3/ha-ano
CITRICOS: 1000 - 2000 m3/ha-ano
SERVIÇOS

IMPLEMENTAÇÃO

BIOTEC desenha, constrói, arranca e supervisa as suas soluções, a escala industrial, com tecnologia própria e mediante um rigoroso controle de qualidade tanto interno como com seus fornecedores.

 
A implementação de estes projetos pode realizar-se de duas formas:
  1. “Chave em mão” completa: BIOTEC encarrega-se de todo o projeto, desde a montagem da planta até a entrega da planta em funcionamento.
  2. “Chave em mão” parcial: Com o mesmo alcance da forma ¨chave em mão completa¨, mas neste caso o cliente encarga-se de obras civis e/ou compra direta de certa maquinaria.

OPERAÇÃO

Uma boa instalação deve ser corretamente operada para aproveitar o seu potencial máximo após o comissionamento, BIOTEC compromete-se com os seus clientes, depois de pôr em marcha e acompanhar a primeira fase operativa por mínimo 2 anos. Desta maneira, a equipa de operação fica completamente capacitada e as plantas cumprem com seus indicadores de desenho.

 
BIOTEC opera as plantas segundo duas modalidades:
  1. Direção da operação: BIOTEC participa na operação com pessoal próprio dirigindo a equipa de operação do cliente
  2. Supervisão da operação: monitoramento on-line (sistema SCADA), incluindo auditorias periódicas.

 

BIOTEC desenha e constrói pensando
como operador